SEGURANÇA PÚBLICA | Força Nacional ficará por mais 90 dias em Roraima

Assessoria de Comunicação
imagem da notícia

Atendendo ao pedido de Roraima, o Governo Federal autorizou a atuação da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) por mais 90 dias na capital Boa Vista e em Pacaraima.

A permanência da FNSP está assegurada pela Portaria 101, publicada esta semana no Diário Oficial da União pelo Ministério da Justiça, medida que visa a continuidade das ações de segurança com foco nas áreas de fronteira.

De acordo o secretário de Segurança Pública, coronel Edison Prola, o pedido foi renovado por ser uma medida fundamental de atenção ao processo migratório, garantindo que o trabalho que vem sendo realizado em Roraima continue sendo executado na área de segurança pública.

“Essa renovação foi solicitada principalmente pela questão da imigração, visto que a Força Nacional atua especialmente nas ações de atenção e gestão de crise e tem um papel importante no que se refere à garantia da ordem nas áreas de fronteira como Pacaraima por exemplo, atuando em apoio à Polícia Federal e Operação Acolhida, uma vez que estes policiais são estratégicos para o reforço às operações realizadas pelo exército brasileiro”, esclareceu o secretário.

Ele ressalta que com a nova portaria a Força Nacional segue em Roraima entre 12 de junho e 9 de setembro de 2022, período em que será possível ainda contar com o auxílio no patrulhamento de rua.

Ele destaca que por ser um órgão federal ligado ao Ministério da Justiça a FNSP atua no apoio a órgãos federais como Ibama, Polícia Federal, Funai, e ainda como suporte nas decisões da Justiça Federal.

“Em Roraima contamos com um novo momento no que se refere ao patrulhamento ostensivo visto que o Governo de Roraima colocou em prática o Programa Polícia na Rua, uma medida que foi extremamente positiva e aumentou de forma considerável o número de viaturas das polícias Civil e Militar, o que tornou a presença da força nacional mais pontal, no entanto ainda fundamental para a atuação em Pacaraima no apoio às atividades federais junto a PF e a Operação Acolhida e aqui na capital também com o apoio aos órgãos federais”, complementou o coronel Prola.

 

Fonte: Secom - RR